Indicadores Econômicos

  • Taxas de Juros

      
Taxas de juros de operações de crédito
ver taxas
Taxa Selic - Meta 6,50%
Reunião Copom: 19/9  
atas Copom
Taxa Selic Diária 6,40%
16/10
 
mais detalhes

Poupança

Remuneração para depósitos em
16/10/2018 0,3715% a.m.
mais detalhes

Inflação

Meta 2018 4,5 ± 1,5 p.p.
Acumulada 4,53
(período de 12 meses - IPCA)
ver histórico

Câmbio

Dólar EUA compra venda
17/10 (PTAX) 3,7002 3,7008
17/10-13:00 3,6818 3,6824
euro
17/10 (PTAX) 4,2697 4,2711
17/10-13:00 4,2484 4,2499


Fonte:
Banco Central do Brasil

(Atualização 16/10/2018)

Manutenção Predial

Manutencao resized v2

Contadoria Geral

Contador-Geral: Elias Costa Martins

eliasarrobapr6.ufrj.br

Tel.: (21) 3938-9933

 

Divisão de Prestação de Contas

Diretor: Marcelo Rodrigues Martins

mrodriguesarrobapr6.ufrj.br

Tel.: (21) 3938-9933

 

Divisão de Contabilidade

Diretora: Rozinete Dias Vaz Fernandes

rozinetefernandesarrobapr6.ufrj.br

Tel.: (21) 3938-9933

 

 

O que é Contabilidade?

É a ciência que estuda, interpreta, registra e controla os fenômenos que afetam o patrimônio de uma entidade.

O nome deriva do uso das contas contábeis de acordo com a doutrina oficial brasileira (organizada pelo Conselho Federal de Contabilidade).

Dentre as normas brasileiras, destaca-se como principal, a Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964, que estatui Normas Gerais de Direito Financeiro para elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal.

Destaca-se ainda o contido no artigo 83, da aludida Lei, que diz:

"Art. 83. "A contabilidade evidenciará perante a Fazenda Pública a situação de todos quantos, de qualquer modo, arrecadem receitas, efetuem despesas, administrem ou guardem bens a ela pertencentes ou confiados".

A fim de atingir sua finalidade a Contabilidade está obrigada ao entendimento de toda a legislação aplicada e vigente sobre orçamento público, finanças públicas e patrimônio público, além de legislações tributárias e contributivas em geral, e, está organizada de acordo com o organograma abaixo, e, com as seguintes atribuições:

Contabilidade - Organograma.png

  1. DO DIRETOR DA DIVISÃO DE CONTABILIDADE
  2. a) Montar processo de prestação de contas da UFRJ;
  3. b) Registrar a conformidade contábil;
  4. c) Analisar relatórios contábeis;
  5. d) Analisar balancetes;
  6. e) Analisar balanço anual;
  7. f) Acompanhar a legislação tributária e fiscal;
  8. g) Auxiliar auditoria interna;
  9. h) Coordenar informações cadastrais da unidade;
  10. i) Analisar relatório de auditoria externa;
  11. j) Monitorar indicadores contábeis, econômicos e financeiros;
  12. k) Subministrar seus setores, visando à regularização de todos os atos e fatos das gestões orçamentária, financeira e patrimonial que forem analisados e julgados inconsistentes e/ou irregulares, a luz das legislações vigentes e pertinentes;
  13. l) Fornecer os dados necessários à elaboração de pareceres e relatórios que contribuam para tomada de decisão dos ordenadores de despesa;
  14. m) Refletir e atuar criticamente sobre a esfera da produção e introduzir modificações no sentido de prevenir inconsistências e/ou irregularidades.
  1. DA SEÇÃO DE ANÁLISE E CONFORMIDADE
  2. a) Subministrar seus setores, visando à regularização de todos os atos e fatos das gestões orçamentária, financeira e patrimonial que forem analisados e julgados inconsistentes e/ou irregulares, a luz das legislações vigentes e pertinentes;
  3. b) Fornecer os dados necessários à elaboração de pareceres e relatórios que contribuam para tomada de decisão dos ordenadores de despesa;
  4. c) Refletir e atuar criticamente sobre a esfera da produção e introduzir modificações no sentido de prevenir inconsistências e/ou irregularidades.
  1. DO SETOR DE CONFORMIDADE DE CONTAS CONTÁBEIS
  2. a) Conciliar TODAS as contas contábeis do balancete da UFRJ;
  3. b) Conciliar registro de cauções;
  4. c) Controlar o cadastramento de senhas do sistema;
  5. d) Fornecer os dados necessários à elaboração de pareceres e relatórios que contribuam para tomada de decisão dos ordenadores de despesa;
  6. e) Dar apoio na solução de dúvidas de ordem contábil e escritural;
  7. f) Refletir e atuar criticamente sobre a esfera da produção e introduzir modificações no sentido de prevenir futuras inconsistências e/ou irregularidades.
  1. DO SETOR DE CONFORMIDADE DE UNIDADES

As tarefas abaixo descritas são executadas em 64 unidades administrativas desta IFE

  1. a) Conciliar e registrar contabilmente os inventários de bens de estoque;
  2. b) Conciliar e registrar contabilmente os relatórios mensais de almoxarifado;
  3. c) Conciliar simultaneamente os registros contábeis feitos no sistema SIAFI;
  4. d) Conciliar rol de responsáveis;
  5. e) Conciliar documentos virtualmente;
  6. f) Dar apoio na solução de problemas de ordem contábil e escritural aos responsáveis pelos setores financeiros contábeis das unidades administrativas descentralizadas.
  1. DO SETOR DE CONFORMIDADE DE REGISTROS
  2. a) Analisar e conciliar todos os documentos em processo de despesas executadas pela DIVISÃO FINANCEIRA que deram origem aos fatos registrados na escrita no dia anterior, inclusive quanto à montagem e formalização dos processos, criticando formalmente todos os atos julgados inconsistentes e/ou irregulares, a luz das legislações vigentes e pertinentes;
  3. b) Conciliar os registros contábeis feitos por outros setores da reitoria;
  4. c) Imprimir, conferir e registrar a conformidade de registros de gestão da matriz.
  1. DO SETOR DE CONFORMIDADE DE PAGAMENTO DE PESSOAL
  2. a) Acompanhamento, análise e conferência de todas as folhas de pagamento, visando o arquivamento na ordem exigida pelas fiscalizações de tributos, conforme orientações do INSS e SRF, cobrando aos setores competentes a apresentação e/ou correção de documentos pertinentes, tais como: as Folhas, seus resumos, e, OB, RE-GFIPS-GPS-DARF-DARM e outros;
  3. b) Atendimento a servidores com problemas junto ao INSS;
  4. c) Atendimento a servidores com problemas na malha da receita federal;
  5. d) Executar retificações de beneficiários da GFIP;
  6. e) Executar retificações de beneficiários da DIRF;
  7. f) Emitir comprovantes de rendimentos de pessoa física e jurídica;
  8. g) Emitir guias de recolhimento de encargos INSS e FGTS.
  1. DA SEÇÃO DE TOMADA DE CONTAS
  2. a) Subministrar seus setores, visando à conciliação de todas as contas contábeis do ativo e passivo, no sentido de regularizar seus saldos dando transparência e veracidade a todos os atos e fatos das gestões orçamentária, financeira e patrimonial, eliminando os registros que forem analisados e julgados inconsistentes e/ou irregulares, a luz das legislações vigentes e pertinentes;
  3. b) Analisar, conferir, controlar e elaborar relatórios e planilhas que demonstrem a posição de todas as prestações de contas de cunho obrigatório da instituição, inclusive a junção das peças da prestação de contas anual;
  4. c) Fornecer os dados necessários à elaboração de pareceres e relatórios que contribuam para tomada de decisão dos ordenadores de despesa;
  5. d) Refletir e atuar criticamente sobre a esfera da produção e introduzir modificações no sentido de prevenir futuras inconsistências e/ou irregularidades;
  6. e) Atendimento as auditorias interna e externa;
  7. f) Conciliar adiantamento a fornecedores;
  8. g) Conciliar contas;
  9. h) Conciliar pagamento de diárias.
  1. DO SETOR DE ARQUIVO E MOVIMENTAÇÃO DE DOCUMENTOS
  2. a) Organizar o arquivo contábil;
  3. b) Arquivar e desarquivar documentos.
  1. DO SETOR DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE DIÁRIAS E SUPRIMENTO DE FUNDOS
  2. a) Conciliar pagamento de diárias;
  3. b) Analisar, conferir, controlar, aprovar ou reprovar todas as prestações de contas de diárias e suprimento de fundos.
  1. DO SETOR DE REGISTRO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE CONTRATOS, CONVÊNIOS, ACORDOS E ADIANTAMENTOS DIVERSOS
  2. a) Conciliar adiantamento a fornecedores;
  3. b) Analisar a prestação de contas dos convênios e acordos, e orientar os coordenadores de projetos ou demais responsáveis acerca da elaboração da prestação de contas, assim como o seu envio;
  4. c) Fornecer os dados necessários à elaboração de pareceres e relatórios que contribuam para tomada de decisão dos ordenadores de despesa;
  5. d) Refletir e atuar criticamente sobre a esfera da produção e introduzir modificações no sentido de prevenir futuras inconsistências e/ou irregularidades.

 

Nilton de Souza Mendes

Chefe da Seção de Análise e Conformidade de Registros

 

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO
PRÓ-REITORIA DE GESTÃO & GOVERNANÇA

Divisão de Contabilidade

 
Entrega de senha para acesso a Rede Serpro e demais Sistemas


Considerando a necessidade de regulamentação do acesso e do uso das informações por meio dos Sistemas da Rede Serpro/Siasg/Siafi, com vistas a atender adequadamente os objetivos de atualizar os procedimentos para o acesso aos sistemas com segurança, solicitamos o seguinte:


Para utilizar os sistemas, os usuários (operadores) serão habilitados por meio de cadastramento de senhas. Para cadastramento das senhas, devem ser informados os dados pessoais do operador, a Unidade Gestora na qual está lotado, o nível de acesso e o perfil correspondente a sua área de atuação, compatível com a função que exerce.


Para tanto, deverá ser utilizado o FORMULÁRIO (disponível ao final desta página), após o aceite das orientações abaixo.


Serão aceitos somente os formulários digitados.


São atribuições do Operador:


Operador é todo aquele que está cadastrado e habilitado para acesso aos Sistemas, sendo responsável pela administração e uso de sua senha de acesso.


O Operador responderá integralmente pelo uso do Sistema sob sua senha e obrigar-se-á:

  • Não revelar, fora do âmbito profissional, fato ou informação de qualquer natureza de que tenha conhecimento por força de suas atribuições, salvo em decorrência de decisão competente na esfera legal ou judicial, bem como de autoridade administrativa superior;
  • Manter absoluta cautela quando da exibição de dados em tela ou impressora, ou ainda, na gravação em meios eletrônicos, a fim de que deles não venham tomar ciência pessoas não autorizadas;
  • Não se ausentar do terminal sem encerrar a sessão de uso do sistema,garantindo assim, a impossibilidade de uso indevido por pessoas não autorizadas;
  • Acompanhar a impressão e recolher as listagens cuja emissão tenha solicitado; e
  • Responder, em todas as instâncias devidas, pelas consequências decorrentes das ações ou omissões de sua parte que possam pôr em risco ou comprometer a exclusividade de conhecimento de sua senha ou das transações em que esteja habilitado.


O operador deverá recorrer ao seu respectivo cadastrador nas seguintes situações:

  • Quando do esquecimento da senha, para solicitar uma nova senha;
  • Quando tiver seu acesso não autorizado; e
  • Quando necessitar de alteração de perfil e/ou nível de acesso.


Os cadastradores só poderão enviar a senha dos operadores, por meio de correio eletrônico coorporativo do interessado, ou pessoalmente.


OBS: NÃO SERÁ MAIS ACEITO O FORMULÁRIO 1 VIA E-MAIL, PARA TROCA POSTERIOR.

 

UFRJ PR3 - Pró-Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento
Desenvolvido por: TIC/UFRJ